segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Do que quero

Dormir até mais tarde, tomar banho de chuva, gritar bem alto, pisar descalça no asfalto molhado.
Abrir a boca sem pensar, dizer o que penso sem ter de modular, deixar que o queixo caia ao vê-lo se afetar.
Sorrir com a lua, cantarolar na rua, dormir nua.
Gargalhar da vida, esquecer absurdos, falar a língua dos surdos.
Escrever um livro, dançar um punhado de ritmos, ver o seu umbigo.
Ganhar na loteria, comprar uma casa com piscina, ler revistinhas.
Ouvir seu silêncio, sentir seu alento, dar-lhe um beijinho de esquimó.
Conhecer o que der do mundo, interferir com tudo na vida, lançar-me de olhos fechados na brisa.
Comprar uma camisa distinta, ter a perna sempre lisinha, esquecer das estrias.
Comer porcaria, ir à tapiocaria, beber cappuccino.
Inventar receitas, fazer um filme, ser fluente em outras línguas.
Deliciar-me em chocolate sem culpa, ver filme com áudio original sem precisar de legenda, viajar para a Argentina.
Achar presentes espontaneamente, ter dinheiro para comprá-los, ganhar algum prêmio respeitado.
Ler jornais regularmente, me inteirar mais da política, exercer uma melhor cidadania.
Compartilhar a vida com quem amo, distribuir abraços adoidada, queimar gordura localizada.
Ficar bronzeada, passar um dia sem mão gelada, cantar com tudo o que posso.
Dormir na areia da praia, desfilar no carnaval carioca, ensinar um gringo a sambar.
Andar de patins e bicicleta, pular amarelinha e brincar de pique-pega, comer queijo e goiabada.

Eu quero é amor,
e mais horas no meu dia.

3 comentários:

  1. Também compartilho alguns destes desejos, principalmente, "tomar banho de chuva" (mais vezes) e "viajar para a Argentina". Mas o que me traz aqui é outra reflexão; andei pensando aqui com os meus botões depois de ler o texto: será que o que falta são mais horas no dia ou nos falta dedicar mais horas à vida? Preencher as horas com mais vida.

    À primeira vista, pode parecer um questionamento idiota, pois muitas vezes parece que um problema leva ao outro (a falta de tempo gera a falta de mais boas sensações na vida). Na verdade, o que eu quero dizer é que em diversos momentos não são as horas que faltam, mas nos falta deixar a vida falar por si própria mais vezes, deixá-la fluir livremente, fazermos o que der na telha e quando der vontade, como faço agora.

    Obrigado por esse momento!

    ResponderExcluir
  2. Eu quero é botar meu bloco na rua, Odete. Uma quase mulher Cruel, a Rosa Púrpura de Cubatão. Quero encontrar um amor, Magia pura!, Chuva fina, Menino João.
    Em nome de Deus, Eu sou aquele que disse Lero e leros e boleros Muito além do jardim, Não tenha medo, não, Dona Maria de Lourdes. Que loucura!
    Cala a boca Zebedeu, O que pintar pintou, Velho Bandido.
    Até outro dia.
    (na verdade, quero meio talento seu, Powah, e que você conheça esse meu amigo Sérgio Sampaio)

    ResponderExcluir
  3. "será que o que falta são mais horas no dia ou nos falta dedicar mais horas à vida?"
    É tudo isso.

    Mas eu disse o que disse justamente para permitir o que se conseguisse entender. Mais horas no meu dia às vezes também são pedidos de mais dia nas minhas horas.
    Falo de "A" para permitir que "B" emerja. Querer amor e mais horas no meu dia... a dimensão disso tudo me estrapola o entendimento.

    Obrigada pelos comentários.
    Bye.

    ResponderExcluir