quarta-feira, 3 de agosto de 2016

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Ah! mar

Varas e ondas
Casais e anzóis
Vendaval
Agito
Onda se esparrama
Na areia
O homem lança
Seu coração
E espera.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Lembrete Surpresa

Moço da garganta iluminada,

Favor me levar às alturas
desses seus cabelos,
à ternura desse seu olhar,
ao desejo desse seu sorriso.
________________________________________________________
Experimente com a canção "Quienquiera que seas", de Jorge Drexler.

domingo, 12 de junho de 2016

Coração Pulsa

Sua voz me vibra de prazer. Seu timbre é tato. Penetra os poros e me convoca à verdade com ternura. Desejo. Quase um atropelo.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Corte

Entrei por sua porta cheia de charme. A gata espiou e você me beijou contido. Vi luzes, som e o amarelo. Taça, sofá e tesão. Arrancou-me o medo com beijos de dar susto. Pediu covardias de abrir o coração e revelou-me num retrato injusto. Decidiu que eu não cabia ali.  E não disse nada. Passei de volta a porta azul-de-rebelde, para o além. Fora de mim, fora de ti. A pele inscrita. A noite não passou de um arranhão. 

domingo, 10 de abril de 2016

Foto-grafia

Moro no quarto, eles no segundo. Parece tudo igual. Mas até o mar muda, a cada metro, a cada lua. E as estrelas podem deixar de estar. O navio fica sem querer, quase por curiosidade. E como quem desmama, sai sem responder ou perguntar, antes de habitar. Navio não é mar, não vira paisagem. Da janela só vejo recortes. Deste alto lá, espio o correr e o caminhar. Cachorro late, homem grita, sino toca, onda bate, quarto andar.