terça-feira, 27 de abril de 2010

Enquanto a hora passa sem chegar

Atravessou o corredor espiando cada um por quem passava. Sentou-se nas escadas e da pasta azul-surrada retirou uma leitura. Mirava-a de cabeça baixa. Quando alguém passava, a cabeça se erguia e logo retornava para o texto de letras uniformes. Até que a leitura, na pasta, guardou, a bolsa, da escada, pegou e se levantou. Deu alguns passos diretos e parou. Olhou para o lado, ainda o corredor; suspirou e na porta mais próxima entrou.

3 comentários:

  1. O tempo é sempre algo intrigante. Alguns minutos podem demorar a passar como se horas fossem; assim como horas podem passar rápidas como segundos. O tempo parece querer brincar, testar nossa incapacidade de controlá-lo, mostrar toda a sua impresivibilidade. Seria interessante, por exemplo, se durante a espera algum conhecido passasse e puxasse conversa; a mesma hora que teimava em passar e não chegar poderia ter chegado e nem ao menos ter sido percebida.

    Outra coisa interessante é que parece existir outra noção de tempo na imaginação. Exemplifico: A situação toda que antecedeu a levantada da escada pode ter durado minutos, mas ocorreu tão rapidamente na minha imaginação que pareceu ter se passado em segundos (tal como numa cena de filme que aceleramos). Todavia, o olhar para o lado e o suspiro, que podem ter ocorrido velozmente, foram imaginados por mim com uma delicadeza e uma riqueza de detalhes tão intensa que pareceram ter durado mais do que meros segundos (como se tivessem ocorrido em camêra lenta). A imaginação nos dá um controle temporal que não temos na vida concreta. É tudo muito intrigante!

    É claro que sei que a leitura que fiz pode ser totalmente destoante do sentido que você quis passar, mas foram essas as sensações que a sua arte me despertaram, isso não se controla (ainda bem!).

    Não sei, só sei que foi assim...

    ResponderExcluir
  2. Legal isso. Sinceramente, não sei quanto tempo tudo isso durou, até porque isso foi criação que virou outra realidade perto da realidade primeira e distinta. Enfim, é criação e realidade, porque criação é realidade. E sobre os tempos, adoro essa flexibilidade virtual dos momentos, dos segundos matematicamente calculados que, quando contados(no sentido narrativo, mas fique com a ambiguidade; é bonito) se desenquadram. É mágica a capacidade de palavras estendem a cena e ainda fazerem-na durar apenas dois segundos.
    E é isso mesmo! Pra mim não existe essa história de destoar de sentido, ainda mais uma narrativa! Os sentidos são todos!
    Ainda bem.
    Só sei que é assim.

    ResponderExcluir
  3. Já fiz essa cena algumas vezes.

    ResponderExcluir